Estudo destaca bactérias felinas que podem ser fatais para humanos | CachorroGato

Estudo destaca bactérias felinas que podem ser fatais para humanos

Pesquisa norte-americana ressalta os perigos da bactéria felina Pasteurella Multocida

Presente na saliva de quase 90% dos gatos, a bactéria Pasteurella Multocida é o novo foco de preocupação do mundo felino para os seres humanos; que até o momento tinham a raiva e a toxoplasmose como as doenças mais temidas transmitidas pelos bichanos. Ignorada durante muito tempo, a bactéria veio à tona em uma pesquisa realizada pela Clínica Mayo, dos Estados Unidos, que analisou mais de 190 pessoas que foram ao hospital em função de mordidas de gatos entre 2009 e 2011.

Pasteurella Multocida

Desencadeando diferentes tipos de complicações, as mordidas felinas acompanhadas pelos cientistas fizeram com que 30% dos pacientes fossem hospitalizados por cerca de três dias, enquanto muitos outros foram tratados de maneira eficiente com o uso de antibióticos.

No entanto, além dos internados, foi um grupo de oito pessoas que chamou mais a atenção dos pesquisadores; já que desenvolveram problemas muito além do que se imaginava. Nesse grupo, todos tiveram que realizar mais de uma cirurgia na mão (local da mordida) para poder amenizar os estragos, que envolveram desde infecções complicadas e problemas de circulação até a paralisia parcial do membro e a necrose.

Segundo o estudo, a ocorrência de inchaço, vermelhidão e dificuldade em mover a região afetada são alguns dos principais indicativos da infecção pela Pasteurella Multocida – que é consideravelmente mais encontrada na saliva dos gatos do que nos cães.

Leia Mais: Insuficiência renal e hipertensão são temas de palestras na PET Rio

Embora, na maioria dos casos, o tratamento com amoxicilina seja eficaz contra a bactéria, no caso da mordida de gatos a situação muda de figura; pois, a dentada leva a bactéria até parte profundas da pele humana com grande facilidade e se multiplicam com rapidez – exigindo, em muitos casos, um procedimento cirúrgico para impedir o desenvolvimento de quadros infecciosos mais graves e que podem ser fatais.

Vale lembrar que as lambidas de gato não apresentam chances de transmissão da bactéria, já que a Pasteurella Multocida só é nociva quando penetra no corpo humano – por meio de mordidas ou arranhões seguidos de contato com a saliva do animal, por exemplo.

Link deste artigo: http://www.cachorrogato.com.br/noticias/pasteurella-multocida/

Sugira novo tema para um artigo
Tags:
bactéria de gato, bactéria felina, mordida de gato, Pasteurella Multocida, saliva de gato

ATENÇÃO: Esse conteúdo é meramente informativo e não substitui a consulta a um médico veterinário ou serviço especializado. Encontre um fornecedor próximo a sua casa.

Sobre o autor

Priscila Franco é a Community Manager e Editora-chefe das Notícias do Grupo CachorroGato. Formada em Jornalismo e Publicidade & Propaganda.

Artigos Relacionados