Viagem com gato – Como levar o seu bichano para viajar | CachorroGato

Viagem com gato – Como levar o seu bichano para viajar

Saiba que tipo de cuidado é necessário na hora de viajar com gato e planeje sua próxima jornada com seu pet

Viagem com gato é uma constante preocupação na vida de quem tem um pet felino dentro de casa. Embora haja uma série de opções de hospedagem e hotéizinhos nos dias de hoje, muitos dos proprietários não dispensam a companhia de seu bichanos de estimação para viajar e se divertir, precisando estar atentos a diversos cuidados especiais, que devem ser tomados para que o transporte do gatinho seja o mais adequado possível.

Seja de carro, ônibus ou avião, uma viagem com gato requer uma série de precauções específicas, que vão desde a alimentação do animal no dia da viagem até o tipo de local em que ele será transportado – e isso, sem contar as providências que devem ser tomadas em relação às companhias de viagem, que exigem uma série de comprovantes e atestados de saúde do animal para que seja liberada a sua presença.

viagem-com-gato

Para que o conforto do seu bichano seja garantido, pode ser uma boa ideia adquirir a caixa onde o animal será transportado algum tempo antes da viagem; dando a oportunidade de que o felino possa se adaptar melhor a este espaço confinado antes do dia de partida – facilitando o processo e baixando os níveis de estresse do pet.

Outra boa dica – caso a sua viagem envolva companhias aéreas ou rodoviárias – é a de contatar as empresas responsáveis pela sua viagem, com antecedência, para saber qual é a política adotada em relação aos animais; podendo se programar melhor e saber que tipo de providência deve ser tomada para garantir a presença do pet na viagem.

Confira, a seguir, quais são os principais itens a ficar de olho na hora de uma viagem com um pet felino, e comece a programar a sua próxima escapada de diversão com a presença do seu bichano de estimação.

Leia Mais: Alergia a Gatos - Quem é o vilão, o pelo ou a saliva?

 

Transportadora para gatos em viagens

O mercado pet já conta, hoje, com uma grande variedade de caixas transportadoras para gatos, sendo possível escolher o modelo ideal para o seu bichano. Na maioria das vezes produzidas a partir de plástico ou tecidos firmes e revestidos, as transportadoras de felinos podem ser encontradas em diferentes tipos de formato e tamanho, sendo que as maiores e mais espaçosas são as mais indicadas para viagens longas; já que promovem um conforto um pouco maior ao pet.

Similares a pequenas gaiolas, as caixas transportadoras garantem a segurança do animal durante as viagens e, conforme citado anteriormente, acostumar o bicho com este espaço confinado é uma boa ideia para evitar o aparecimento do estresse na hora de viajar. Para isso, é indicado que a transportadora seja adquirida algum tempo antes do dia em que o bichano tenha que permanecer confinado – colocando dentro dela alguns itens que sejam familiares e possam ser relacionados com o seu conforto.

Brinquedinhos, um cobertor e, até mesmo alguns petiscos podem ser colocados na caixa para que o gato comece a se acostumar; deixando sempre a porta aberta para que ele se sinta mais livre no espaço, e aprenda que aquele local é seguro e agradável – evitando a agressividade e outras reações que o animal poderia ter ao ser “preso” no momento de partida.

Assim como é importante a presença de itens familiares ao gato dentro da caixa transportadora, também é uma boa pedida levar na sua viagem os brinquedos e acessórios (como caminha, tigela de alimentação, caixa de areia e etc.) que o felino está acostumado, evitando um desconforto maior ao chegar no destino – local que o pet não conhece e pode estranhar.

como-fazer-viagem-com-gato

Alimentação felina em viagens

As recomendações de alimentação e hidratação dos gatos que vão passar por viagens longas também devem ser observadas, sendo que, em boa parte dos casos, a indicação é de que qualquer tipo de comida não seja fornecido ao animal no dia da viagem – evitando ânsias ou a realização das necessidades do gato dentro da caixa de transportes.

No entanto, as recomendações em relação a alimentação vão depender de diversos fatores, incluindo tempo de viagem e meio de transporte. Portanto, ao planejar uma jornada com o seu pet, é fundamental que um profissional veterinário seja procurado; para que possa lhe indicar a melhor maneira de transportar o animal e garantir o máximo de suavidade para ele durante o trajeto.

 

Guia de Trânsito Animal

Há alguns anos, a Guia de Trânsito Animal era um documento exigido para qualquer tipo de viagem que envolvesse animais; no entanto, nos dias de hoje a GTA não é mais uma exigência para cães e gatos, e pode ser substituida por um atestado de saúde do animal, chamado de Certificado Zoossanitário Internacional (CZI).

Expedido pelo Serviço de Vigilância Agropecuária Internacional (Vigiagro), este documento deve contar com a assinatura de um profissional veterinário – devidamente registrado no Conselho Regional de Medicina Veterinária - atestando a saúde do animal e o recebimento das vacinas necessárias para impedir a transmissão de doenças – sendo a antirrábica a mais importante e necessária para a emissão do certificado.

Para que se possa certificar a saúde do bicho e a isenção de doenças transmissíveis, todo tipo de vacina que ele precisar deve ser tomada, pelo menos, 30 dias antes (ou em um período menor que um ano); pois, somente desta forma, a assinatura do veterinário poderá ser obtida e o documento liberado.

Válido por dez dias, o atestado deve ser renovado no seu local de destino, caso o período de viagem seja mais longo, permitindo que o pet retorne para casa sem maiores complicações. Além de validar a saúde do animal, este documento também conta com as principais características do pet (como raça, porte, sexo, pelagem e número de chip – se houver), além dos dados do seu proprietário.

A Secretaria de Defesa Agropecuária (órgão ligado Vigiaro, que é responsável pela emissão do CZI) conta com diversos postos de atendimento no País, distribuidos em portos, aeroportos e pontos de fronteira do Brasil, onde é possível requerir o documento com o atestado de um veterinário.

viajando-com-gato

Viajando com seu felino

É importante lembrar que nem todas as empresas de transporte e de viagens admitem animais em seus trajetos; portanto, é necessário verificar com as companhias qual tipo de norma é preciso seguir para que se possa viajar com seu pet – e se isso é permitido. Algumas delas requerem, além do CZI, que o animal seja transportado em caixas específicas e até que sejam sedados – e todo tipo de exigência deve ser sabido com certa antecedência para evitar surpresas no caminho.

Há uma série de opções de remédios contra o enjoo e medicamentos sedativos para animais, que podem tornar as viagens com o felino muito mais tranquilas e confortáveis para os pets. No entanto, nenhum tipo de medicação deve ser dado ao seu bichano de estimação sem que um médico veterinário seja consultado – e somente um profissional poderá indicar e sugerir o remédio certo para amenizar o desconforto do pet durante este trajeto.

Dito isso, vale reforçar que gatos com idade abaixo de quatro meses devem evitar esse tipo de passeio, e isso se deve, principalmente, pelo fato de que nesta época o felino ainda não terminou de tomar todas as vacinas necessárias para a sua proteção – podendo entrar em contato com outros animais e ser contaminado por alguma doença.

Gatos idosos também devem evitar viagens, já que esse tipo de trajeto longo pode ser muito estressante, desconfortável e cansativo para os felinos mais velhinhos – que já têm a saúde mais debilitada em função da idade.

Em viagens de avião, na maioria das vezes, o gato é levado no bagageiro da aeronave; entretanto, há companhias que permitam que o pet viaje junto com seus donos e, se este for o caso, levar uma “mala” do pet é uma boa pedida – incluindo itens como lenços umedecidos e uma toalha (para resolver possíveis acidentes de percurso), além de um cobertorzinho, para que o bichano se sinta mais protegido.

Os itens de higiene também valem para as viagens de carro e ônibus, sendo que a própria caixinha de areia (vazia) do bichano pode ser levada, nestes casos. A cada parada da viagem você pode deixar com que a caixa fique disponível para que o animal faça suas necessidades, evitando problemas. Nesse tipo de viagem, também é possível levar alguns petiscos e líquidos para o pet – o que pode servir como uma boa distração e um momento relaxante para o felino ao longo do trajeto.



Link deste artigo: http://www.cachorrogato.com.br/gato/viagem-com-gato/

Categorias:
Atividades de Gatos, Comportamento dos Gatos, Saúde do Gatos
Tags:
atenção, bichanos, cuidados, felinos, gatos, pets, viagem, viajar

ATENÇÃO: Esse conteúdo é meramente informativo e não substitui a consulta a um médico veterinário ou serviço especializado. Encontre um fornecedor próximo a sua casa.

Sobre o autor

Médica Veterinária (CRMV- SP 20.567) formada pela Universidade Estadual de Londrina - PR com Especialização em Radiodiagnóstico pelo Instituto Veterinário de Imagem (IVI). Responsável pelo setor de diagnóstico por imagem do Hospital Veterinário Cães e Gatos 24h atuando nas áreas de radiologia, ultrassonografia e ressonância magnética. Dra. Madi é integrante da equipe de Veterinários do portal CachorroGato e também responde por dúvidas na ferramenta Dr. Responde.

Artigos Relacionados