Hipertermia por Insolação ou Intermação em Animais | CachorroGato

Hipertermia por Insolação ou Intermação em Animais

Conheça a hipertermia por insolação em animais e saiba como identificar e evitar esse problema que mata muitos animais no verão

Diferente da febre comum, que é um sinal clínico de diversas doenças, a hipertermia por insolação (também conhecida como intermação) é muito comum no verão e em locais mais aquecidos. O Brasil é um país de clima quente, e em épocas de calor os animais sofrem tanto quanto no inverno. A temperatura alta, combinada com fatores como falta de água e má circulação do ar podem levar o bichinho a ter várias complicações, entre elas, a hipertermia em animais.

A hipertermia por insolação ou intermação em animais é mais comum do que se imagina, principalmente em climas quentes. Há casos registrados de animais que morreram dentro de carros por serem expostos ao calor excessivo por muito tempo, por simples descuido e desconhecimento do responsável. Assim como devemos proteger nossos bichinhos do frio do inverno, é muito importante mantê-los refrescados no verão a fim de afastar todos os riscos da hipertermia em animais.

hipertermia-em-animais

 

A hipertermia em animais pode levar a óbito

Muitos são os casos de óbito de animais causado pela insolação, grande parte das vezes acidentalmente, por puro descido e desconhecimento do dono. A hipertermia ou intermação em animais de estimação é causada pela elevação anormal da temperatura corporal do animal, prejudicando as funções celulares do bichinho, causando perda de consciência, convulsão, parada cardíaca, e várias outras complicações sérias.

Leia Mais: Picada de insetos em cães e gatos

Tanto cães como gatos variam a temperatura corporal de acordo com o ambiente e a saúde do bichinho, mas em média a temperatura dos cães e dos gatos fica entre 37,5°C e 39,5°C. Se houver qualquer alteração anormal nessas temperaturas, o animal pode estar com problemas.

As causas da hipertermia por insolação em cães e gatos estão relacionadas ao calor e a exposição ao sol. Lugares fechados e abafados tendem a subir a temperatura do bichinho e desidratá-lo. Manter o animal preso em um local com alta radiação solar é um prato cheio para causar insolação, principalmente se ele não tem onde se esconder do sol. Muito cuidado.

 

Os sintomas da intermação

Os sintomas da hipertermia em animais são quase os mesmos que um humano sente ao ficar com muito calor: fraqueza, cansaço, estado ofegante, muita salivação e sede excessiva. Esses sintomas podem evoluir e ficarem mais graves, o que indica que o bichinho está realmente sofrendo de hipertermia, tais como diarreia, vômito, vermelhidão nas orelhas e na língua, e até convulsões. É importante observar o bichinho em épocas mais quentes, e se o dono perceber qualquer um desses sintomas, deve tomar providências rapidamente, pois a hipertermia pode matar.

 

Há como evitar a hipertermia ou intermação em animais

Antes de tratar qualquer emergência, todo dono deve saber que pode evitar um quadro de hipertermia em pets. São medidas simples, que só requerem um pouco mais da atenção do dono ao seu bichinho.

Água fresca em abundância, essa é a principal maneira de manter seu animalzinho saudável e feliz, principalmente em épocas quentes. O calor excessivo pode causar desidratação e fadiga em um animal mal hidratado, e pode se desenvolver para hipertermia. É importante o dono se certificar sempre se o animalzinho tem à disposição água em boa temperatura, e se ele parecer ofegante e em volta do dono, é bom verificar, porque a água pode ter acabado ou ficado muito quente.

Animais obesos sentem muito mais calor do que animais saudáveis, e possuem menos capacidade de locomoção e reação, por isso tem uma tendência muito maior a ter insolação no verão. O ideal é manter o peso do bichinho dentro do padrão saudável, e exercitá-lo sempre para ele não desenvolver problemas de locomoção.

animais-com-hipertermia

No calor, jamais deve-se deixar o animal preso dentro de um carro, muito menos no sol. Mesmo que seja só para um compromisso rápido, há riscos, pois carros esquentam muito rapidamente se estão com os vidros totalmente fechados. Mesmo com os vidros abertos, o animalzinho pode acabar tendo a temperatura muito elevada devido ao tempo de exposição ao sol dentro do carro, então, o ideal é sempre sair acompanhado por alguém quando for levar o animal no carro em climas quentes, para a pessoa se certificar de manter o bichinho refrescado.

Da mesma forma, amarrar o cão ao sol ou prender o gatinho em um local com exposição solar pode fazer muito mal. Além da hipertermia, o pet pode desenvolver problemas oculares e até queimaduras de sol. Muito cuidado onde se mantém o animal nessas épocas.

Cães peludos e de focinho achatado precisam de cuidados especiais. Os cães de focinho achatado tem dificuldade para se refrescar graças à respiração, que é mais irregular, por isso merecem atenção redobrada. Em cães e gatos de pelo comprido, é importante fazer a tosa de verão e mantê-lo sempre com o pelo curto, para que ele se sinta melhor.

Em alguns casos extremos de hipertermia por insolação pode levar o animal a insuficiência renal, por isso, após quadro extremos, é indicado fazer um exame de sangue para mensurar a função renal.

 

Saiba os primeiros socorros para tratar a hipertermia

Caso o animalzinho aparente estar sofrendo de insolação, algumas atitudes podem ser tomadas para mantê-lo bem até chegar a um hospital ou veterinário. A principal coisa a se fazer é tentar baixar a temperatura do corpo do bichinho, mas jamais o expondo ao frio de ventiladores ou ar condicionados, pode causar um choque no organismo dele. Leve-o a um lugar fresco e com ventilação, na sombra, e veja suas reações. Se ele parecer um pouco mais atento, está dando certo.

Dar água ao animalzinho e ver se ele responde aos estímulos é essencial. Às vezes o bichinho está tão fatigado e em um estágio avançado da hipertermia que não consegue nem reagir e beber água. Nesse caso, é melhor não perder tempo e sair correndo para o hospital veterinário.

Enquanto se encaminha para a emergência, mantenha o animal refrescado com toalhas molhadas e leves em volta do corpo, para que a temperatura baixe pelo menos um pouco. Isso pode ajudar o quadro de hipertermia do animal não se agravar. E lembre-se de não alimentá-lo, pois ele provavelmente vai vomitar a comida ou não processá-la corretamente, em casos extremos o animal pode perder a consciência, por isso não ofereça nada forçado pela boca pois ele pode acabar aspirando o alimento.

É muito importante ter cuidado e atenção com seu bichinho em épocas de calor intenso, pois, assim como os humanos, os animais sofrem muito com o calor, mas não podem cuidar de si mesmos. A hipertermia por insolação em animais é grave e pode causar efeitos sérios. Preserve o bem-estar do seu animalzinho.



Link deste artigo: http://www.cachorrogato.com.br/cachorros/hipertermia-em-animais/

Categorias:
Saúde do Cachorro
Tags:
animais, cachorros, cães, doenças, hipertermia, insolação, intermação, pets, saúde

ATENÇÃO: Esse conteúdo é meramente informativo e não substitui a consulta a um médico veterinário ou serviço especializado. Encontre um fornecedor próximo a sua casa.

Sobre o autor

Médico Veterinário (CRMV- SP 10.687), formado pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia - Unesp com Pós Graduação em Oncologia Veterinária pelo Instituto Bioethicus e Pós Graduação em Clínica Médica e Cirúrgica de Pequenos Animais pelo Instituto Qualittas. Responsável pelo setor de Oncologia Médica e Cirúrgica do Hospital Veterinário Cães e Gatos 24h. Dr. Toyota é integrante da equipe de Veterinários do portal CachorroGato e também responde por dúvidas na ferramenta Dr. Responde.

Artigos Relacionados